Saturday, 6 December 2008

Não coma o presépio!

Don´t eat the animals of the Christmas crib, não coma o presépio, here on good news, by Isabella Lychowski
Don´t eat the animals of the Christmas crib, não coma o presépio, here on good news, by Isabella Lychowski
Don´t eat the animals of the Christmas crib, não coma o presépio, here on good news, by Isabella Lychowski
Captions: "At this Christmas, don´t eat the animals of the Christmas crib!"
"Neste Natal, não coma o presépio!"
Where did I find this: Gil´s blog, Grupo pela Abolição do Especismo de Porto Alegre

Mais "neste Natal, não coma o presépio" no You Tube. Não tinha noção de como essa campanha anda bombando na Internet. (18/12/2008)



Atualização em 17/12/2008
Recebi por email o texto "Neste Natal, saia da rotina" (autor anônimo), que reproduzo aqui embaixo. Acredito que o texto traz informações interessantes e enriquece a sugestão de não comermos o presépio neste Natal.

Sou vegetariana (embora ainda por enquanto coma peixes e frutos do mar), mas não sou nem um pouco fã de imperativos: faça isso, ou não coma aquilo. Acredito que cada um é responsável por suas escolhas. Apesar do uso do imperativo, que eu pessoalmente não usaria, gostei muito da campanha do pessoal do http://www.gaepoa.org/, pois nos leva a refletir de maneira delicada e lúdica (cartazes acima) sobre o tema cardápio natalino, bem como sobre a incongruência que muitas vezes há entre o que pregamos e o que fazemos.

Neste Natal, saia da rotina
Observe o presépio: tem vaca, cabrito, cordeiro... todos observando o Menino Jesus. Agora pense na maneira como os Reis Magos celebraram a chegada do Deus Menino. Seus presentes foram ouro, incenso e mirra. Em nenhum momento, os magos, José ou Maria sugeriram assar um peru ou um pernil para comemorar.

E nada está mais distante do sentimento cristão do que os cardápios natalinos. As pessoas se esquecem de que os primeiros adoradores de Jesus foram justamente os animais, e aquiescem na matança desenfreada que ocorre nesta época do ano. Quintuplica-se o abate de perus e outras aves; porcos, cabritos e carneiros também são mortos em proporções absurdas.

As pessoas desejam "paz" em suas mensagens natalinas, mas celebram o nascimento do Menino Jesus com os cadáveres de criaturas inocentes! Esquecem-se talvez dos imensos danos que a indústria da carne acarreta ao meio ambiente ou não consideram válido o argumento de que a carne em suas mesas significa a fome de milhões de pessoas*. Pedem "saúde" no Novo Ano, enquanto abusam de gordura animal. Aos poucos, esta acaba por entupir suas veias e artérias, afetar o seu fígado bem como o equilíbrio de seus corpos e mentes.

Que tal celebrar um Natal diferente? Um Natal de paz e compaixão, extensivos a todos os seres.

* 50% dos grãos produzidos no mundo destinam-se ao fabrico de ração para os animais de engorda. Se esses mesmos grãos fossem utilizados diretamente na alimentação humana, simplesmente não haveria fome no mundo!

(Autor anônimo, recebido por e-mail)

Atualização em 18/12/2008

Desconhecia que o dia 25 de dezembro é também O Dia Mundial sem Carne, ou Meatless Day, no original em inglês. O objetivo dessa campanha mundial é mobilizar pessoas que queiram se abster de toda a comida oriunda de violência (carnes bovinas, de aves, peixes, etc), somente por este dia.

Essa campanha foi criada pela Missão Sadhu Vaswani, um santo da Índia moderna cuja filosofia de vida inclui compaixão por todas as criaturas.

Saiba mais em:
http://fotolog.terra.com.br/ong_anida:32
http://www.meatlessday.com/

1 comment:

stella halley said...

Muito engraçada essa frase. Posso abrir mão dos animais do presépio no Natal. Facilmente. Não consigo é, durante o ano, resistir a um bom churrasco...