Sunday, 23 August 2009

Cuide bem da sua @

Olha, veja, já congelei o tempo uma vez, mas não, não vou congelar de novo. Se um dia eu te falei do vizinho que só tinha uma perna e usava suspensórios sobre uma camiseta branca, hoje eu prefiro falar do cheiro de sopa.

O cheiro de sopa sobe pela janela. No Japão estão com medo de um terremoto iminente. Eu não tenho mais saudades de você, baby.

A minha dislexia filosófica não me permite abrir parênteses. Gosto do cheiro. Gosto de muitas coisas. Você já viu o que andam dizendo no Twitter? É isso mesmo, andam dizendo que você não é lá essas coisas, ainda que tenha seus predicados. Todos têm.

Ha!, bom demais pra ser verdade que a verdade está tão ao alcance das mãos. Não dá mais, baby, não dá mais pra congelar o tempo. O tempo agora é real e a verdade tá dando as caras. Milhares de arrobas a empurram para cima, rompendo ventas. "Carpinteiros, levantem bem alto a cumeeira!"

Lembra da utopia, baby, aquela que morreu jovem? Sim, sim, ela foi ao comício das Diretas, fumou unzinho e tomou Cuba Libre em Ouro Preto. Sim, teve você. Não, não sei o que veio depois. Deletei. Fiquei com o que é hoje. Um tornado em São Conrado? Um poema de 140 caracteres? Você-outro? Cuide bem da sua arroba. Na real, não cutuque muito não, baby.

A terra anda fofa e revolvida e os brotos deram pra germinar ultimamente.

2 comments:

Dona Sra. Urtigão said...

Existem palavras que ganham vida pela mão do ...autor, e se tornam independentes daquilo pelo qualforam ditas, tornando-se domínio de quem lê. Essas se tornam minhas, pois encaixo em meus pensamentos. Ou seja, adorei.

good news said...

ah, também adorei que as palavras sejam suas. também faço meu o seu comentário. obrigada, gosto de cuidar junto com você do terreno do nosso.